Aos domingos, 15h30
Reprise aos sábados, 11 horas
Na TV Brasil

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Problemas de pele é o tema deste domingo!

O Papo de Mãe deste domingo (01/05) vai falar sobre problemas de pele.
Segundo uma estimativa da Sociedade Brasileira de Dermatologia, um em cada três pacientes com doenças de pele sofre de problemas emocionais como estresse, ansiedade e depressão. Mas e quais seriam os outros inimigos da pele? Quais as principais doenças e tratamentos? E quais os cuidados essenciais que devemos ter para uma pele saudável?
Para responder estas e outras questões, Mariana Kotscho e Roberta Manreza recebem convidados, entre eles as médicas, Dra Denise Takahasi, dermatologista do Hospital da Clínicas de São Paulo e a Dra. Renata Marques, dermatologista e especialista em acne de adolescentes. Também participa do papo o Coordenador Nacional do MORHAN – Movimento de Reintegração das Pessoas atingidas pela Hanseníase, Artur Custódio.
Tem ainda reportagens especiais. E após o programa, converse com a gente pelo chat aqui no blog até às 21 horas. Durante a semana, acompanhe as nossas postagens sobre o tema. Siga o programa pelo Twitter (@papodemae), pelo Facebook e pelo Orkut. Assine o nosso Feed para receber as nossas atualizações e torne-se nosso seguidor. E para entrar em contato com a nossa equipe escreva para [email protected].
Papo de Mãe é um programa imperdível para quem vive as dores e as delícias da vida em família. Informal com informação. Emocionante. Interativo. E com muita prestação de serviço. Neste domingo, 01/05, às 7 da noite, na Tv Brasil.








quinta-feira, 28 de abril de 2011

PROGRAMA TRANSIÇÃO ESCOLA-FACULDADE


S.O.S. PAPO DE MÃE

QUEM PERGUNTA: o telespectador Leandro, de Recife -PE
"Olá pessoal! Assisti ao programa deste domingo 24-04-11, falando de carreira profissional. Tenho ficado muito preocupado com meu futuro, tenho 29 anos, solteiro, com apenas segundo grau, e trabalhando como motorista. Ainda não me encontrei em que carreira de ensino superior seguir, ou nível técnico. A única profissão que me chama muita atenção é piloto de aeronaves. Nesse semestre iria iniciar o curso inicial de piloto privado, mas estava agindo só por impulso, porque ao analisar a minha situação financeira, não daria nem para terminar a primeira fase por se tratar de um curso muito caro. Então gostaria de saber se tem alguma maneira, um programa, que possa baratear esse investimento, por empresas, ou companhias aéreas que forneçam bolsas, ou algo do tipo. Talvez se vocês conhecerem algum especialista da área, possam me responder. Abraços!!!"
QUEM RESPONDE: Mariá Giuliese, psicóloga e especialista em aconselhamento de carreira. Participou como convidada do Programa Papo de Mãe sobre TRANSIÇÃO ESCOLA-FACULDADE exibido em 24.04.2011.

"Olá Leandro. Antes de você fazer sua escolha de fato é importante que pesquise mais sobre a área de atuação escolhida. Sugiro que converse com profissionais da aviação e que conheça melhor a rotina desses profissionais e o trabalho que realizam em toda sua amplitude, para depois procurar pessoas ou empresas que tenham interesse em te ajudar a investir nessa carreira. Isso vale para todas as pessoas em todas as áreas de atuação. É importante fazer essa pesquisa, esse "teste de realidade" para prevenir que se invista tempo e dinheiro em uma profissão que talvez não seja a mais alinhada com o seu  perfil, interesses e vocações. Nessa busca os próprios profissionais da área escolhida podem te dar dicas de como conseguir um patrocínio ou algum desconto no seu aprimoramento profissional. Um abraço, Mariá."

DICA DE HOJE
Inscrição para o Vestibular das Fatecs começa dia 2 de maio
As inscrições para o processo seletivo das Faculdades de Tecnologia (Fatecs) do Estado de São Paulo para o 2º semestre de 2011 estarão abertas de 2 de maio a 8 de junho. O exame será no dia 3 de julho. Serão 10.860 vagas - distribuídas entre as 51 Fatecs que oferecem 60 cursos de graduação tecnológica gratuitos -, representando um crescimento de 830 vagas em relação ao mesmo período do ano anterior (10.030). No ato da inscrição o candidato pode colocar como segunda opção um outro período do mesmo curso, desde que oferecido na mesma faculdade.
Inscrições: No período de 2 de maio a 8 de junho, as inscrições deverão ser feitas exclusivamente pela internet, no site http://www.vestibularfatec.com.br/.
Inclusão Social: O Sistema de Pontuação Acrescida concede bônus de 3% a estudantes afrodescendentes e de 10% a oriundos da rede pública. Caso o aluno esteja nas duas situações, recebe 13% de bônus. Para ter direito ao bônus, o candidato afrodescendente deve fazer a autodeclaração no ato da inscrição. O candidato também deve informar, no momento da inscrição, se é egresso do ensino público.
Outras informações: Fones: (11) 3471-4103 (Capital e Grande São Paulo) e 0800-596 9696 (demais localidades) ou pelo site http://www.vestibularfatec.com.br/

quarta-feira, 27 de abril de 2011

PLANTÃO PAPO DE MÃE - por Mariana Kotscho

Abandono, adoção e outras coisas para pensar...
Enquanto uma mulher tem 10 filhos e abandona 4 deles, outras não conseguem sequer engravidar ou adotar...
Com tanta criança pelas ruas e nos abrigos - e tanta gente para adotar - sabem por que a conta da adoção não fecha no país? Porque a maioria das crianças que precisam de um lar é formada por meninos, negros, com mais de 2 anos. E a maioria das pessoas que querem adotar procuram meninas, recém nascidas e muitos ainda exigem que sejam brancas...
O Papo de Mãe já fez um programa sobre Adoção com tudo sobre o assunto. O programa já foi ao ar, mas quem quiser uma cópia pode solicitar pelo e-mail [email protected]. E clicando aqui você confere postagens sobre o tema e um trecho do programa.
Tema para pensar, refletir e debater!!!
bjs, Mariana Kotscho

ENEM: a credibilidade em jogo - por Nílson José Machado*

ENEM: a credibilidade em jogo
Por Nílson José Machado*
O Exame Nacional do Ensino Médio surgiu há doze anos no cenário educacional brasileiro como uma iniciativa cercada de expectativas positivas. Vencidas as resistências iniciais, em pouco tempo o ENEM consolidou-se como uma avaliação com grande credibilidade, passando a orientar a organização do trabalho nas escolas. Ultimamente, algumas ocorrências desviantes em relação ao projeto inicial têm conduzido o ENEM a uma situação de risco, em que sua credibilidade está em jogo. As razões para tal fato são apresentadas a seguir.
O grande mérito do ENEM foi tirar do centro das atenções os indispensáveis conteúdos disciplinares, dando ênfase às competências pessoais básicas, que deveriam ser desenvolvidas por meio deles. Se nossos avós diziam que as matérias escolares eram os meios para que, em última instância, saíssemos da escola sabendo “ler, escrever e contar”, o ENEM atualizou tais expectativas, pretendendo que, ao final da Educação Básica, os alunos deveriam demonstrar capacidade de expressão e de compreensão, de argumentação e de decisão, de contextuação e de imaginação.
Compreendendo o Ensino Médio como a etapa final da Educação Básica, o projeto do ENEM visava avaliar a formação pessoal dos alunos, não sendo adequado para a utilização como processo seletivo, como os vestibulares, muito menos para a avaliação de instituições escolares.
Hoje, o ENEM encontra-se duplamente descaracterizado. Em primeiro lugar, sua utilização em substituição aos exames vestibulares é absolutamente inconsistente, uma vez que ele não tem poder de discriminação tão fino quanto tais exames exigem. No máximo, poderia ser utilizado em sintonia com indicadores mais específicos para as diversas carreiras, incluindo-se as entrevistas.
O desvio mais grave de função, no entanto, ocorre na utilização do ENEM para a construção de rankings das escolas básicas. Nesse sentido, a divulgação dos resultados do ENEM tem constituído, anualmente, um espetáculo de puro nonsense. Em 2009, quando a contagem dos pontos era de 0 a 100, 70 escolas tiveram resultados entre 64 e 65 pontos; em 2010, quando o número de pontos foi estendido para 1000 de um modo técnico, absolutamente incompreensível para os avaliados, as 50 putativas melhores escolas tiveram notas entre 749 e 701. As diferenças entre duas delas são tão relevantes quanto uma nota 7,4 é diferente de 7,3, por exemplo. Mas há muitos outros pontos obscuros.
O número de alunos de cada escola avaliada é muito discrepante. Enquanto algumas escolas tiveram centenas de alunos participantes, outras tiveram poucas dezenas. Como se pode depreender, a presença de um pequeno número dos alunos mais motivados pode concorrer para uma distorção nos resultados.
O ENEM pode ser importante para a avaliação de uma escola, mas jamais poderia ser utilizado como indicador único. A escolha de uma escola para os filhos tendo por base apenas tal indicador pode ser um equívoco nada desprezível. Tal tipo de exame seria, no máximo, adequado para a caracterização de 4 ou 5 faixas de escolas, de modo similar ao da atribuição de estrelas aos hotéis.
Ao referendar o absurdo dos rankings, o ENEM pode estar minando sua credibilidade como instrumento de avaliação. Afinal, usar um machado como se fosse um bisturi não tem outro nome: é pura insensatez.
* Nilson José Machado é professor titular da Faculdade de Educação da USP e autor de diversos livros. Participou como especialista convidado no Programa Papo de Mãe sobre “transição escola-faculdade” exibido em 24.04.2011. Para outras informações e contato acesse: http://www.nilsonmachado.net/
***
DICA DE HOJE
Brincadeira com números
Acontece nos dias 02 e 03 de maio, em Guarulhos, a 28.ªedição da mostra de jogos matemáticos. A iniciativa, com entrada franca, é coordenada pelo curso de Matemática da Universidade Guarulhos (UnG). O evento irá expor 28 jogos pensados e produzidos por alunos da graduação. As peças ensinam de maneira lúdica desde raiz quadrada até operações simples da ciência dos números, como soma, subtração, multiplicação e divisão. As formas (triangulo, retângulo, quadrado, etc.) também fazem parte de temas de alguns dos jogos. A coordenação da mostra já recebe inscrições de escolas públicas e particulares interessadas em levar estudantes. O agendamento de horário deve ser feito pelo e-mail [email protected] O evento acontece na Unidade Guarulhos-Dutra da UnG, das 19h30 às 22h30. A participação é livre.
Fonte: Assessoria de Comunicação – UnG
Adriano Magrinelli – [email protected] e Rosany Cardoso – mailto:[email protected]

terça-feira, 26 de abril de 2011

TRANSIÇÃO ESCOLA - FACULDADE: a difícil tarefa de escolher uma profissão!

Oi, pessoal!
O tema desta semana no Papo de Mãe é  a "transição da escola para faculdade", um momento que na maioria das vezes é cheio de dúvidas e incertezas para a maioria dos jovens e suas famílias.
Para tentar dar uma ajudinha, além do programa que apresentamos no domingo passado, vamos publicar ao longo da semana alguns textos e dicas para quem está passando por esta fase. 
A seguir, vocês conferem um artigo bem legal  da nossa especialista convidada e uma dica muito interessante que pode fazer diferença na hora de escolher uma profissão. Confiram! 

É difícil mesmo!
*Por Mariá Giuliese
Do jovem que está em vias de escolher a profissão ao jovem recém formado que precisa decidir aonde trabalhar, a dificuldade existe e as inúmeras opções confundem. Escolher os próprios caminhos é difícil mesmo. São muitos os fatores que precisam ser levados em consideração e diversas vezes gostaríamos de escolher mais de um caminho para trilhar simultaneamente. A sociedade em que vivemos estimula o consumo e o olhar para tudo o que está do lado de fora. É preciso parar de olhar apenas para fora e passar a olhar para dentro. As respostas estão dentro de cada um.
As primeiras escolhas na juventude, em geral, consistem na idealização do outro. Acreditamos em um relacionamento eterno, nos promissores planos de futuro e enxergamos o objeto escolhido como o reflexo da perfeição. As experiências trazem aprendizado e permitem que se descubra sobre si próprio e sobre a vida. Mas, o amadurecimento emocional que nos permite escolher bem, requer autoconhecimento, desenvolvimento de uma visão crítica e uma formação que estimule a reflexão. Ainda assim corremos o risco de nos deixar seduzir pela ilusão da perfeição, tanto nos relacionamentos pessoais quanto nos profissionais.
Pense sobre o que você quer para sua vida, observe se aquilo que você considera o mais adequado vai de encontro aos seus sentimentos mais íntimos. Não faz sentido, por exemplo, escolher estudar medicina veterinária apenas porque você gosta de animais, é preciso querer se dedicar a eles diariamente na saúde e na doença. O que faz a diferença é a capacidade de realizar escolhas conscientes.
Verifique quais são seus valores e crenças antes de escolher. Pesquise as faculdades e as empresas, veja se elas têm projetos sociais, campanhas ambientais etc, com os quais você se identifique. Confira suas percepções. Busque relações mais próximas com as pessoas. E faça o que você considera adequado ao seu caso.
Lembre-se que o preparo para o futuro começa com o início da atuação profissional. Este preparo é uma responsabilidade e é indelegável! Além disso, suas escolhas não devem ser pautadas pelo dinheiro, status e poder. Esses são conseqüência de um trabalho bem realizado! Suas escolhas devem estar pautadas em quem você é. Quanto mais elas estiverem alinhadas aos seus interesses e vocações e mais afinidade você tiver com seu trabalho, maiores as chances e as possibilidades de bons retornos.
Nenhuma escola ou empresa irá suprir todas as suas necessidades de crescimento, desenvolvimento, conhecimento etc. Você terá que prestar atenção aos seus interesses e vocações e procurar outros meios de atendê-los. Ou seja, não dependa apenas do que a escola ou a empresa podem te proporcionar! A empresa é mais uma escola que irá te preparar para andar sozinho com as próprias pernas. Chegará um momento em que isto será inevitável e você precisa estar preparado. Afinal, o Homem nasceu para ser livre e dono de seu próprio nariz.
*Mariá Giuliese é psicóloga e especialista em aconselhamento de carreira. Participou como convidada do Programa Papo de Mãe sobre TRANSIÇÃO ESCOLA-FACULDADE exibido em 24.04.2011.
---
DICA DE HOJE
14a Feira do Estudante - Expo CIEE 2011
A feira de 2011, que acontece nos dias 27, 28, 29 de maio na Bienal do Parque Ibirapuera, em São Paulo/SP,  tem por objetivo criar um ambiente vivencial e interativo onde estudantes possam ter a oportunidade de participar da troca de informações que auxiliem a compreender, planejar e aprimorar a sua carreira. Tudo isso em um espaço que une segmentos empresariais e acadêmicos, sempre considerando a educação e o jovem como chaves para o futuro. Saiba mais sobre o evento clicando aqui. Boa sorte a todos!

segunda-feira, 25 de abril de 2011

NOTAS SOBRE TRANSIÇÃO ESCOLA - FACULDADE

Mães e jovens no programa deste último domingo 

• Segundo o Censo de 2009, a educação superior brasileira está mais acessível. Ao todo são 2.314 instituições de educação superior, das quais 245 são públicas e 2.069 são particulares. O Brasil tem hoje 5 milhões e novecentos mil universitários, sendo quase um milhão de alunos formados a cada ano. Em 2002, o número de matrículados na educação superior brasileira era de três milhões e meio de alunos.
• Os resultados do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) podem ser utilizados para seleção total ou parcial de vagas em instituições de ensino superior públicas ou privadas. Nestes casos, a seleção é feita de forma unificada (SISU). A nota obtida no ENEM também é utilizada para fornecer bolsas de estudos parciais ou integrais, em instituições privadas de ensino.
• O Pro Uni - Programa Universidade para Todos - tem como finalidade a concessão de bolsas de estudo integrais e parciais em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, em instituições privadas de educação superior. Em 2010, o programa chegou a oferecer mais de 85 mil bolsas. O site para maiores informações é o http://prouniportal.mec.gov.br//
• Os cursos de graduação tiveram crescimento de 13% em relação a 2008. Entre eles, os cursos a distância aumentaram 30,4%. Já os cursos tecnológicos, tiveram crescimento de 26,1% de 2008 para 2009.
• A Região Sudeste concentra o maior número de matrículas no ensino superior: 49,2% do total. Em seguida, vem o Nordeste, com 18,9%. Porém, diferente do que acontece no Nordeste, no Sudeste, a maior parte dos alunos, 55,3%, encontra-se em instituições particulares.
• De acordo com o Censo, os cursos mais procurados na educação superior são, em primeiro lugar, Administração; em segundo, Direito; em terceiro, Pedagogia; e em quarto, Engenharia. Na educação a distância, Pedagogia é o curso mais procurado. A pesquisa mostra ainda que a educação superior brasileira é predominantemente formada por mulheres (em média de 21 anos), que ingressam por vestibular (aos 19), em instituições particulares. A idade mais frequente de conclusão de curso é de 23 anos.
Bem, gente, por enquanto é isto. Fiquem de olho que no decorrer da semana ainda teremos muito mais o que tratar a respeito desta fase de transição da escola para a faculdade. Fiquem ligados aqui no blog. Até mais!
---
DICA DE HOJE
FedEx Express Coleta Livros para Crianças Carentes no Brasil
Terceira edição do FedEx Entrega marca o início da participação dos centros de envio autorizados para arrecadação de livros
[SÃO PAULO, BRASIL] - A FedEx Express, maior empresa de transporte expresso do mundo, está literalmente abrindo suas portas no Brasil e em outros países latino-americanos para a arrecadação de livros, os quais serão doados a uma série de instituições de apoio a crianças carentes. O ano de 2011 marca a terceira edição do FedEx Entrega, campanha regional de arrecadação de livros com duração de três meses e que tem por objetivo despertar nas crianças, desde a mais tenra idade, o amor pela leitura. Este ano, contudo, a novidade é que doações poderão ser feitas em vários Centros Autorizados de Envio FedEx e Centros de Serviço Mundial FedEx de todo o Brasil. A meta da empresa é superar a marca de 25.000 livros doados e coletados em 2010 nos oito países participantes. Este ano, a FedEx Express se associou a cinco organizações sem fins lucrativos — e a Escola Estadual Romeu de Moraes, em São Paulo — que colocarão os livros coletados à disposição das crianças, através de seus programas e bibliotecas. O FedEx Entrega é mais uma demonstração do compromisso da empresa com a América Latina e o Caribe, promovendo a meta mundial da FedEx de reforçar a importância da Educação de crianças em idade pré-escolar como ferramenta fundamental para o progresso e desenvolvimento das comunidades.
Veja abaixo os postos de coleta da sua região:
Shopping Iguatemi – São Paulo/SP; Shopping Market Place – São Paulo/SP;  São Paulo Sixth Box; Cia da Postagem;  PostNet São Paulo - Moema; PostNet São Paulo - Itaim;  PostNet São Paulo - Jardins; PostNet São Paulo - Pamplona; PostNet São Paulo - Paraíso; PostNet São Paulo - Vila Olímpia; PostNet São Paulo - Higienópolis; PostNet São Paulo - Shopping Plaza Sul;  PostNet São Paulo Tatuapé; PostNet São Paulo Granja Vianna.
Para mais informações, visite o www.fedex.com

quarta-feira, 20 de abril de 2011

TRANSIÇÃO DA ESCOLA PARA FACULDADE É O TEMA DESTE DOMINGO!


Vestibular, cursinho, faculdade, escolha da profissão... Quando um filho termina o ensino médio, precisa tomar muitas decisões, e este momento não é fácil, nem para os estudantes, nem para os pais. Por isto, no Papo de Mãe deste domingo (24) vamos dar dicas e tentar, de alguma maneira, orientar quem está passando, ou vai passar em breve, por este momento de transição entre escola e faculdade.
No estúdio, Mariana Kotscho e Roberta Manreza recebem vários convidados, entre eles a psicóloga Mariá Giuliese, especialista em aconselhamento de carreira; o professor Nilson José Machado, da Faculdade de Educação da USP; e José Emídio Teixeira, coordenador executivo do CONARH - Congresso Nacional sobre Gestão de Pessoas. Tem ainda reportagens especiais com Rosângela Santos, Mariana Verdelho, Pedrinho Tonelada e Davi de Almeida.
Após o programa, até às 21 horas, converse com a gente pelo chat aqui no blog. E, durante a semana, acompanhe as nossas postagens sobre o tema. Siga o programa pelo Twitter (@papodemae), pelo Facebook e pelo Orkut. Assine o nosso Feed para receber as nossas atualizações e torne-se nosso seguidor. E para entrar em contato com a nossa equipe escreva para [email protected].
Papo de Mãe é um programa imperdível para quem vive as dores e as delícias da vida em família. Informal com informação. Emocionante. Interativo. E com muita prestação de serviço. Neste domingo, 24/04, às 7 da noite, na Tv Brasil.








S.O.S. PAPO DE MÃE


Seguem as perguntas de nossos telespectadores. Quem responde é a pediatra Dra Anna Julia Sapienza, especialista convidada pelo Papo de Mãe sobre PRIMEIROS SOCORROS exibido no dia 17.04.2011.
DE FRANCISCA: Sou mãe de um menino de 3 anos e 8 meses. Ele adora brincar com miniaturas e brinquedos muito pequenos. Apesar de não costumar colocá-los na boca, de um tempo para cá, tenho visto de vez em quando ele fazer isso. Gostaria de saber qual o tamanho de um objeto que pode engasgar uma criança dessa idade. Devo me desfazer desses brinquedos?
Dra Ana Júlia Sapienza
DRA ANA JÚLIA: Brinquedos pequenos (lego, rodinhas de carrinhos que soltem fácil , bonecos pequenos, brinquedos frágeis que quebram com facilidade) devem ser evitados até cerca de 8 anos de idade. Devemos seguir as regras estabelecidas pelo Inmetro e a Sociedade Brasileira de Pediatria (se observar alguns tipos de brinquedos além da idade sugerida tem o selo do inmetro que garante que ele não quebrará em pedaços menores que possam ser engolidos ou aspirados para o pulmão). Já presenciei casos tristes de aspiração pulmonar, pois crianças pequenas levam brinquedos a boca, às vezes, para desmontá-lo pois não tem força nos dedos. Não precisa se livrar dos brinquedos, apenas guardá-los para que na idade adequada seu filho possa usufruir da brincadeira sem correr riscos.
DE FLÁVIA E ADENILSON: Meu filho tem 2 meses de idade e eu estou com dúvida na vacina dele, a BCG, pois ela ainda não inflamou. Com quanto tempo ela pode inflamar ??? Ele mama o leite nestogeno, ele já esta tomando água, pode ???
DRA ANA JÚLIA: Não é obrigatória a supuração. Se seu filho ficou com cicatriz local e hipertemia temporária, ele já fez a pega da vacina. Se tiver dúvidas, leve-o para avaliar na próxima vacinação e converse com o pediatra de plantão da clínica de vacina, que observará se há marca da pega ou não. E se necessário, irá orientá-la a realizar um teste na derme que confirma ou não a pega e a necessidade de revacinar (que é raro). Em relação ao aleitamento artificial, é importante sim que seu filho ingira água também em pequenos volumes, principalmente em dias mais quentes. Só evite sucos ou chás, pois é muito precoce e pode levar ao refluxo.
DE PATRÍCIA: Estava acompanhando o programa e achei muito bom. Fiquei com uma dúvida:o que devemos fazer no caso de convulsão, enquanto se espera pelo Samu?
DRA ANA JÚLIA: Convulsão - a criança deverá ser colocada em local com proteção para sua cabeça não bater e ficar deitada de lado para que a saliva escorra para fora de sua boca e não se sufoque com ela. Não se deve colocar a mão dentro da boca da criança e nem puxar sua língua, pois não há risco de enrolar a língua, e a outra pessoa poderá se machucar seriamente caso a criança a morda durante a convulsão. A criança poderá ser levada para o serviço de emergência mais próximo de sua residência.
---
 

PÁSCOA: Viaje com segurança

ONG CRIANÇA SEGURA alerta para cuidados nas estradas e com os brinquedinhos dos ovos de chocolate
Para que a Páscoa seja gostosa e tranquila, a ONG CRIANÇA SEGURA dá dicas para uma viagem segura e brincadeiras saudáveis com as crianças. Com o feriado prolongado, elas podem estar mais expostas a diversos riscos de acidentes em casa e nas estradas. Somente em 2008, 5.106 crianças morreram e 109.241 foram hospitalizadas vítimas de acidentes de acordo com o Ministério da Saúde.
Os acidentes de trânsito são a principal causa de mortes, entre todas as outras lesões não-intencionais, de crianças e adolescentes de até 14 anos. Os pequenos só estão protegidos nos automóveis quando transportados em cadeirinhas de segurança instaladas corretamente no banco de trás. O dispositivo de retenção deve ser adequado ao peso e altura da criança e não somente à idade e é obrigatório em todo território nacional desde setembro de 2010, segundo a Resolução 277 do Conselho Nacional de Trânsito. Bebê conforto, cadeirinha e assento de elevação devem conter o selo do Inmetro e podem reduzir o risco de morte em 71% em caso de acidente, de acordo com estudos americanos. Portanto, na estrada ou na cidade, a criança deve sempre ser transportada na cadeirinha.
Os brindes que vêm dentro dos ovos de Páscoa também podem gerar riscos. É preciso verificar se há selo do Inmetro e para qual faixa etária o brinquedo é indicado. Peças pequenas podem se soltar e ser engolidas por crianças pequenas, causando sufocação. Outro cuidado está ligado aos materiais utilizados na fabricação dos brinquedos, que devem ser atóxicos. Depois de manuseados por crianças mais velhas, os brinquedinhos devem ser guardados fora do alcance de crianças menores para evitar acidentes.
Mais Informações para Imprensa
Francine Ricci - 11 8750-2200/ [email protected]
Daniela Urquidi - [email protected] - 11 3371-2364 ou 2383
---
DICA DE HOJE
TOP KID'S 0 a 12
O TOP KID'S 0 a 12 é uma mini feira infantil que tem por objetivo atender a um público que anseia por novidades, reunindo em um só local, produtos e serviços selecionados, diferenciados e específicos para a faixa etária de 0 a 12 anos, atendendo a expositores que também estão em busca de novos negócios. Aberta ao público durante dois dias, a mini feira tem entrada gratuita e mostra aos visitantes uma variedade de produtos e serviços que fazem parte do segmento infantil.
Em todos os eventos são arrecadados alimentos não perecíveis, materiais de pintura e brinquedos que são entregues em instituições de ajuda a crianças com câncer. Além das atividades apresentadas para as crianças, realizamos um desfile de moda com as marcas participantes em um momento de graça e beleza, onde já tivemos a participação das modelos e atrizes mirins, Amanda Azevedo e Manuela Daher. A 4ª edição do TOP KID´S 0 a 12, acontecerá nos dias 28 e 29 de maio no Hotel Windsor Barra da Tijuca, RJ das 11:00h às 20: 00h.
TOP KID'S 0 A 12 - Tel: (021) 2492-2636 / 9626-3189 - Site: http://www.topkidsbazar.com.br/
Facebook: TopKids0a12 - Orkut: Top Kids 0 a 12 - Twitter: @TOPKIDS0A12

terça-feira, 19 de abril de 2011

DICAS DO PAPO DE MÃE


CRIANÇA SEGURA abre inscrições para curso sobre prevenção de acidentes com crianças
ONG ensina como prevenir estas lesões e dá dicas de atividades lúdicas para as crianças
A ONG CRIANÇA SEGURA realiza mais uma edição do curso a distância direcionado aos pais e responsáveis sobre prevenção de acidentes com crianças. As atividades incluem segurança no trânsito, como a importância do uso da cadeirinha, por exemplo, e a prevenção de outros tipos de acidentes comuns da infância.
Neste curso, pais e responsáveis por crianças têm acesso a informações sobre as diferentes formas de lesões não-intencionais com crianças, caso dos acidentes de trânsito, afogamentos, sufocações, queimaduras, quedas, intoxicações, acidentes com armas de fogo e outros.
O conteúdo inclui dados estatísticos sobre o tema, informações sobre a relação dos acidentes com o desenvolvimento infantil e as medidas de prevenção. O curso também prevê a sugestão de atividades lúdicas para interagir com as crianças (histórias, jogos) e ensiná-las sobre a importância da prevenção.
Os acidentes representam a principal causa de morte de crianças e adolescentes de 1 a 14 anos no Brasil. Em 2008 (dados mais atuais do Ministério da Saúde), 5.106 crianças morreram e 109.241 foram hospitalizadas vítimas de acidentes.
Para esta turma, a CRIANÇA SEGURA disponibilizará 200 vagas. A carga horária total do curso é de 20h e não há exigência para a realização de atividades de multiplicação. As inscrições estão abertas de 18 de abril a 15 de maio. As aulas terão início no dia 23 de maio.
Para participar, os interessados devem solicitar a ficha de inscrição por e-mail: [email protected] Os primeiros 200 formulários recebidos e devidamente preenchidos serão contemplados. Os participantes não incluídos na primeira turma entram automaticamente em uma fila de espera para participação na próxima edição. O curso é gratuito e realizado em parceria com a Johnson & Johnson.
A CRIANÇA SEGURA é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público dedicada à promoção da prevenção de acidentes com crianças e adolescentes de até 14 anos. Para cumprir sua missão, desenvolve ações de Políticas Públicas - incentivo à discussão sobre o tema e participação nos diálogos referentes às mudanças e adaptações de instrumentos legais que visem a segurança, saúde e bem-estar da criança; Comunicação - informação e alerta sobre a causa para conscientização da sociedade por meio de campanhas e divulgação de assuntos de interesse público e Mobilização - promoção da sensibilização, conscientização e engajamento de muitas e diferentes pessoas visando à multiplicação da informação, a transformação do meio e a adoção de comportamentos seguros.
Mais informações para Imprensa
Francine Ricci - 11 8753 2200/ [email protected]
Daniela Urquidi - [email protected] Fone:11 3371 2364/2383
---
Palestra sobre "Parto Ativo" com Janet Balaskas
Depois de ministrar curso de Formação em "Parto Ativo" para a primeira turma de 30 profissionais brasileiras ligadas 'a saúde da gestante, Janet Balaskas, inglesa, autora do Livro "Active Birth" traduzido no Brasil como "Parto Ativo" e diretora do "Active Birth Centre", em Londres, agora está em São Paulo. Janet leciona aulas com técnicas de yoga para gestantes e para 'casais grávidos' por mais de 30 anos. Veio ao Brasil 'a convite da Aobä, local de encontro entre mães, pais, profissionais, pesquisadores e todos aqueles interessados no tema do acompanhamento da gestação, do parto e do pós-parto, com sede em Curitiba.
Apenas duas brasileiras têm essa formação em Parto Ativo feita com ela em Londres, e uma delas é Talia de Souza, que está fazendo um trabalho conjunto com Janet aqui no Brasil em prol desse movimento. Essa semana Janet está em São Paulo, e participa dia 20 de abril, de uma palestra na Faculdade de USP, 'a convite da professora Simone Diniz, em prol da continuidade da faculdade de Obstetrícia da USP. Janet afirma: “As mulheres brasileiras não podem permitir que este curso feche” disse ela em entrevista ao blog Parto no Brasil.
No dia seguinte, 21 de abril, Balaskas dará um workshop para casais grávidos, gestantes e profissionais da saúde. Ela estará também disponível para entrevistas durante essa semana. Caso queiram agendar entre em contato: [email protected]
Janet Balaskas é uma voz importante no nascimento. Seu trabalho tem inspirado uma revolução global "de mulher para mulher" no renascimento de práticas mais humanas no parto. Saiba mais sobre Janet Balaskas: www.activebirthcentre.com.
Data: 20 de abril. Local: Faculdade de Saúde Pública da USP / Av. Dr. Arnaldo, 715 - Cerqueira César - São Paulo - SP. Horário: 9h30.

segunda-feira, 18 de abril de 2011

NOTAS SOBRE PRIMEIROS SOCORROS

• Segundo o Ministério da Saúde, todos os anos, mais de 5 mil crianças morrem e cerca de 137 mil sãos hospitalizadas vítimas de acidentes no país.
• A sufocação, ou obstrução das vias aéreas, é a primeira causa de morte, entre os acidentes, de bebês até 1 ano de idade. Já as quedas representam a principal causa de internação entre os acidentes com crianças e adolescentes de até 14 anos.
• Afogamentos são um risco para todos, sendo a segunda causa de morte e a oitava de hospitalização na faixa etária de 1 a 14 anos. Outros acidentes graves são causados por intoxicação (que atinge mais crianças de 1 a 4 anos) e  queimaduras.
• No SAMU, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência e Emergência, do Ministério da Saúde, o socorro é feito após chamada para o telefone 192. A ligação é gratuita. O SAMU existe em todos os estados brasileiros com ambulâncias, motolâncias e até ambulanchas. As lanchas que prestam socorro estão presentes em Manaus, Porto Velho, Macapá, Belém e Rio de Janeiro.
• Para evitar casos de intoxicação, a ANVISA, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, quer padronizar os rótulos de produtos de limpeza como desinfetante, água sanitária, detergente e inseticida. A proposta é colocar na embalagem informações inclusive sobre primeiros socorros em caso de intoxicação.
• Em caso de ingestão acidental de substâncias tóxicas, não provoque vômito ou ofereça nada sem orientação. Ligue imediatamente para o CEATOX - 0800 0148110. Tenha em mãos as seguintes informações: idade e peso do paciente; como foi o contato com o produto; há quanto tempo foi a exposição; os sintomas que o paciente está apresentando; informações sobre o produto (tenha a embalagem em mãos); um número de telefone para contato. Aguarde as instruções e as siga corretamente.
• Em caso de qualquer acidente, permaneça calmo(a) e ligue imediatamente para os serviços de resgate: SAMU – 192 , e Corpo de Bombeiros - 193.
• A ONG Criança Segura oferece cursos online sobre prevenção de acidentes com crianças e adolescentes. Mais informações no site http://www.criancasegura.org.br/. O site reúne ainda dicas sobre prevenção de acidentes, entre eles: afogamento, armas de fogo, atropelamentos, bicicletas e afins, brinquedos, carros, cuidados com o bebê, envenenamento, esportes, parquinhos, quedas, queimaduras, sufocação engasgamento e no transporte escolar. Clique aqui e acesse diretamente a página de dicas.

domingo, 17 de abril de 2011

S.O.S. PAPO DE MÃE

Oi gente!
Antes de darmos início às postagens da semana sobre PRIMEIROS SOCORROS, gostariamos de publicar algumas dúvidas de telespectadores que escreveram para a nossa coluna SOS PAPO DE MÃE. Confiram!


quinta-feira, 14 de abril de 2011

Bullying: violência na escola e o direito das vítimas

Oi, gente. São impressionantes o número de casos de bullying nas escolas e os relatos que temos recebido. A propósito, leiam este, da nossa telespectadora Léia da Cunha:
"Olá queridas amigas, gostaria de compartilhar com vcs um pouco da minha experiência com o bullying. Meu filho no ano passado estudava em uma escola estadual perto da minha casa, quando ele começou a me relatar que os colegas dele brigavam com ele. Então, aos poucos, ele foi me contando... Houve um dia em que os meninos passaram e derrubaram todo o sanduíche que ele havia tinha levado de merenda. Fizeram e deram risadas e ele ficou sem comer. Na época, ele estava com 8 anos, no terceiro ano, hoje ele tem 9. Mas o pior dia de todos foi quando eu cheguei na escola para buscar ele e, ainda da rua, ouvi os seus gritos de pavor. Não tive dúvidas e entrei portão a dentro, subi no segundo andar onde ficava a sala dele, e vi uma cena que nunca esquecerei: dois meninos o seguravam e o outro com um lápis tentava furar os seus olhos. O uniforme dele já estava perfurado pelo corpo de fincadas de lápis. Estavam sem professora. Entrei, o peguei e fui até a diretoria. Lá ameaçaram chamar o Conselho Tutelar porque eu entrei em sala de aula e que isto não era permitido isso, nem, tampouco, retirar o meu filho de lá. E detalhe: meu filho tem síndrome de Arperger e era perseguido por ser diferente. Em resumo, fui à polícia e tomei as medidas cabíveis. Mas um ano depois, não tive nem um retorno. Infelizmente, ainda falta muito para proteger nossos filhos. Atenciosamente, Léia da Cunha".

Léia, obrigada por compartilhar sua experiência conosco. Veja a seguir o conselho para quem está na mesma situação:

Os atos caracterizados como bullying são considerados, além de ilícitos, uma afronta a princípios constitucionais básicos, tais como o da dignidade da pessoa humana. Pais de agressores podem ser considerados responsáveis e obrigados a pagar indenizações por danos morais às vítimas. A escola também poderá ser responsabilizada, uma vez que, quando em suas dependências, o aluno está sob custódia do estabelecimento. Na esfera penal, os agressores, quando menores, respondem de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente e, quando maiores, de acordo com as previsões do Código Penal Brasileiro. Portanto, se você ou seu filho está sendo vítima de bullying, e não encontra amparo na escola – a qual deveria coibir tais práticas, além de adotar medidas preventivas -, procure a delegacia de polícia mais próxima e registre ocorrência. Faça também a denúncia no Conselho Tutelar. Em seguida, procure um advogado ou entre em contato com o Ministério Público ou com a Defensoria Pública do seu Estado. Não fique inerte, faça valer seus direitos. Por Clarissa Meyer, advogada.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

SAUDADES DA VIDA - por Dante Donatelli*

Escrever sobre atos de violência é sempre algo doloroso e ao mesmo tempo entristecedor, especialmente quando não conseguimos ao certo saber as razões que movem as pessoas ou a pessoa a cometer tal ação. Não vou me atormentar em querer entender o que um desequilibrado pretende ao matar friamente alunos dentro de uma sala de aula, apenas queria notar que entendo ser este fato, uma exceção na vida brasileira.
Gostaria de me ater às imagens, todas elas sem som, para alívio de nós observadores distantes, pois, se ver as crianças e os adolescentes correndo desesperados já é angustiante, ouvir se tornaria insuportável a uma pessoa normal. As imagens que se tornaram públicas são todas perturbadoras, mas de todas as imagens, a que mais me chamou a atenção, e provocou a escrita deste artigo, foi a de um garoto, caído no chão, sangrando com várias perfurações de bala pelo corpo, se contorcendo em dor e, com certeza, pedindo ajuda.
Um garoto jazia no chão, e as pessoas correm de um lado para o outro, policiais, facilmente identificáveis, e adultos, homens e mulheres, que suponho sejam pais de alunos e mesmo funcionários da escola, todos meio atônitos, numa correria de um lado para outro. Creio que a maioria dos civis naquele momento buscava encontrar alguém, filhos, netos, sobrinhos, amigos, e o garoto jazia ali, sangrava, e se contorcia.
Por mais incrível que pareça, o menino continuou no chão sem que ninguém, sem que qualquer pessoa parasse para oferecer conforto a ele, todos contornavam a dor, o sangue e o ser humano ali, como um simples obstáculo a ser transposto, a ser superado em meio ao caos estabelecido. Como observador distante, fiquei me perguntando qual a razão da indiferença, por que ninguém sequer se abaixou para falar com o garoto?
Se não encontro resposta para um louco ensandecido, me questiono e tento responder o porquê da indiferença com a dor do outro, e em verdade a única explicação que me chega é o quão banal é contemplar um ser humano sofrendo. Não que sejamos cínicos, que aquelas pessoas atarantadas de um lado para outro o fossem, mas é preocupante a indiferença coletiva.
Em um livro clássico do início do século passado, "Nada de Novo no Front", Erich Maria Remarque narra a vida nas trincheiras durante a Primeira Grande Guerra, e revela que homens, quando postos em uma situação limite, se transformam em algo próximo do semi humano, do quase humano, sem, contudo haver neles qualquer estado de desumanidade consentida ou desejada. Eram apenas homens que sofriam todos os dias a dor intensa de contemplar mortos, o risco constante. Quão indiferente é preciso ser para suportar a dor e a morte, com um esforço sobre-humano no início, se torna no passar do tempo um ato banal, recolher corpos em dor e mutilados, recolher cadáveres, pular sobre eles em campos de batalhas, usar estes corpos inertes e sem vida como escudos e barricadas, tudo se torna parte de uma rotina macabra em nome da sobrevivência e cada um luta apenas para sobreviver, para chegar vivo amanhã.
Remarque põe a mostra o pior do humano, seu pouco caso com a vida, seu desejo de auto preservação quando exacerbado se revela pura omissão com o outro, as dores e a morte do outro se fazem banais, assim como comer, beber, dormir, acordar e lutar. Pareceu-me, e só me pareceu que todas aquelas pessoas, policiais e cidadãos olhavam, mas não viam o garoto sofrendo a sua frente, era mais um, invisível o corpo jazia diante de todos, e ali ficou até que os paramédicos chegassem.
Esta não é uma crítica ao desespero e a consternação de todas aquelas pessoas que pulavam por cima daquele corpo inerte e em sofrimento, é apenas a percepção do observador de uma cena típica de uma sociedade violenta na qual a vida humana é um detalhe, onde no elenco de prioridades de cada cidadão, o outro é apenas uma citação aleatória, quase estatística, ou midiática. Desconfio ser a violência um fato tão entranhado em nós que mesmo nos momentos mais terríveis, não sabemos restabelecer uma relação solidária com o outro, apenas nos esquivamos da sua dor e corremos para matar as saudades da vida que nunca mais teremos.
*Dante Donatelli é professor de filosofia e Diretor Executivo do Colégio Salesiano de Campos dos Goytacazes, no Estado do Rio de Janeiro. Participou como especialista convidado do Papo de Mãe sobre Violência nas Escolas, exibido em 10.04.2011.

DICA DE HOJE
Para maiores informações, acesse o site: www.ecofuturo.org.br/concursocultural

terça-feira, 12 de abril de 2011

RELATOS SOBRE VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS

Olá! Voltamos para falar um pouco mais do tema da semana: Violência nas escolas.
Bem, como vocês devem imaginar, as histórias de violência são muitas, de vários tipos. Sofrem alunos, sofrem pais, sofrem professores, sofre a sociedade... E o que fazer? Não dá para simplesmente cruzarmos os braços, certo?
Bem, a seguir vocês conferem 2 relatos de telespectadores que escreveram para o Papo de Mãe e nos autorizaram a compartilhar suas experiências. O primeiro é de uma mãe, cuja filha foi vítima de bullying na escola. O segundo é de um professor, que em tom de desabafo nos conta como é difícil lidar com os jovens hoje em dia. 
PRIMEIRO RELATO
"Olá, mães. Gostaria de relatar aqui minha história... ou melhor, da minha filha...  Anna Beatriz (minha filha) tem 9 anos e há 1 ano 2 meses tirou um linfoma (câncer) do intestino. Fez quimioterapia durante 6 meses em Campinas na Clínica Infantil Boldrini, que por sinal é maravilhosa. Desde de agosto passado, estamos em casa (Glória a DEUS!) e ela voltou à sua rotina normal: escola, balé, igreja, catequese, etc.
Numa manha ela chegou e disse: “Mãe, eu não quero ir mais para a escola”. Perguntei por que e ela disse que as meninas da sala dela não gostavam dela. Perguntei o motivo e ela disse que era porque ela tinha cabelo curto (o cabelo está crescendo em virtude da quimioterapia).
Fiquei indignada como que crianças podem ser tão cruéis! Conversei bastante com minha filha e acho que ficou bem resolvido. Ela não é mais "amiga" daquelas meninas e está indo muito bem na escola. Antes da minha filha voltar à escola, a professora conversou com as crianças. Mas acho que não deu o efeito esperado em todas... Temos que fazer algo contra o BULLYING, pois está acabando com nossas crianças, e fazendo das escolas um campo de batalha. Obrigada". Elsye Beatriz, mãe da Anna Beatriz.
***
SEGUNDO RELATO
"A respeito da temática desta semana, eu, particularmente, não passei pela triste experiência de testemunhar casos de bullying na escola onde trabalho. Todavia, as formas de violência são generalizadas e  a cada dia o professor se depara com novos desafios no ambiente da sala de aula.
O que vejo mais "comum", é uma espécie daquilo que passei a chamar de "código de agressão". Ocorre toda vez que um determinado aluno diz ou responde algo que não é aceito pelo grupo. Ele é abordado mesmo dentro da sala de aula e recebe um tapa de todos os demais. Por diversas vezes, já tentei intervir e conversar com a turma a respeito desses modelos de conduta violenta, esclarecendo que a sala de aula - e a escola como um todo - é um espaço de resgate da solidariedade e das formas de cidadania que buscam o bem comum e o respeito que tanto faltam em nossa sociedade. Mas, infelizmente, o modelo que serve de exemplo de conduta é sempre o mais desprezível.
Outro fator que penso ser relevante é o desinteresse pelo aprendizado. De maneira mais generalizada, as crianças e os jovens de hoje abraçam tão somente as coisas fúteis, e por mais que o professor se esforce para despertá-los para a importância dos estudos, o que vejo é uma realidade estarrecedora. O professor, em geral, como é o meu caso, passa a maior parte do tempo da aula tentando encontrar uma oportunidade para tratar o assunto da matéria. Temos, da maneira mais humilhante, implorar para que a turma preste atenção em meio ao caos da algazarra,  do falatório, das agressões físicas e verbais.
Muitos alunos (e é bom frisar que não há diferença entre moças e rapazes) nem levam mais os livros e os cadernos, como uma forma de "desculpa" para não fazerem as atividades solicitadas.  Outra maneira de "escape" é dizer, simplesmente: "professor, eu não entendi o exercício", esperando que o professor dê todas as respostas, sem o trabalho de ler os textos (muitos nem sabem mesmo ler no sentido de análise e interpretação textual), independente da série que frequentam.
Além do enfrentamento físico a que o professor é desafiado, existem alunos que se recusam a desligar seus aparelhos celulares e mp-3 nos ouvidos, como atitude clara de desafio e jogo de poder. Há ainda o elemento das drogas, e eu poderia listar uma infinidade de absurdos do cotidiano escolar. Porém, é ainda relevante que se aborde a questão do aluno que deseja aprender e que é impedido pela maioria que nada deseja,  a não ser instaurar o terror, a violência e a desordem na última trincheira social que tenta, a todos os custos, devolver a dignidade, a consciência e a cidadania ao indivíduo: a escola.
É importante também que se diga, na conjuntura fúnebre desse processo de violência que tomou conta de todas as paragens humanas até desaguar nos corredores das escolas, que a sociedade contemporânea passou por dois momentos cruciais. Na chamada idade moderna, dos fins do século XIX ao XX, o laço social foi caracterizado pelo fator da neurose. Já no período contemporâneo que abarca os nossos dias, o que nos caracteriza em termos psicanalíticos é a perversidade. Creio que isso já diz bastante a respeito da nossa atual condição social. Um abraço e parabéns pelo blog e pelo excelente programa. Conte sempre comigo". Gilberto Farias - Professor nos ensinos fundamental, médio e Educação de jovens e adultos - EJA  - município de Nova Friburgo, RJ.

DICA DE HOJE
Manual Antibullying - para alunos, pais e professores
Dr. Gustavo Teixeira - Grupo Editorial Record / Editora BestSeller
Os casos de violência entre crianças e adolescentes, especialmente dentro das instituições de ensino, chegaram a índices alarmantes, despertando a atenção de pais, educadores e autoridades para o problema. O bullying é uma prática que pode causar danos irreparáveis à vida de uma pessoa, muitas vezes perdurando até a idade adulta. Será possível reverter esse quadro?
O Dr. Gustavo Teixeira aposta que sim. Em Manual Antibullying, ele explica o que é o bullying, identifica os personagens, mapeia as características pertinentes a agressores e agredidos e analisa as consequências físicas e psicológicas na vida da vítima. Com a autoridade de quem é especialista no assunto, Dr. Gustavo aborda também o bullying praticado na internet e apresenta um método inovador de prevenção e combate à violência, que pode ser seguido por pais, alunos e professores.
Com prefácio do Dr. Lauro Monteiro, do site Observatório da Infância, Manual Antibullying é um trabalho esclarecedor e definitivo para quem vivencia a destruição provocada pelo bullying em crianças e adolescentes, e busca uma maneira de interferir.

domingo, 10 de abril de 2011

NOTAS SOBRE VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS

• Segundo um estudo da ONG Plan Internacional, o custo da violência nas escolas brasileiras pode chegar a 943 milhões de dólares ao ano. O relatório alerta que muitas escolas se transformaram em lugares perigosos para crianças. Na opinião de 84% dos estudantes que participaram da pesquisa feita em 6 capitais o ambiente escolar é considerado violento.
• De acordo com um relatório da UNESCO, metade dos professores de São Paulo já sofreu ameaças de agressão. O estudo mostrou ainda que a violência é uma das principais razões do abandono prematuro dos estudos. Além disto, muitos professores também desistem da profissão depois de agressões e ameaças.
• Para o Ministério da Educação, uma alternativa para reduzir a violência das salas de aula é o programa “Escola Aberta”. O projeto abre as escolas públicas para a comunidade nos fins de semana para atividades de cultura, lazer e esportes. Este é o resultado de uma parceria entre o MEC e as Secretarias Estaduais e Municipais de Educação.
• O professor tem a responsabilidade de comunicar às autoridades competentes qualquer caso suspeito de violência ou maus tratos contra estudantes com menos de 18 anos. Inclusive, existe um projeto federal, o “Escola que Protege”, que qualifica professores através de universidades selecionadas pelo Ministério da Educação, cujo objetivo é prevenir e romper o ciclo da violência contra crianças e adolescentes no Brasil. A principal estratégia da ação é o financiamento de projetos de formação continuada de profissionais da educação da rede pública de educação básica, além da produção de materiais didáticos e paradidáticos nos temas do projeto. Outras informações podem ser obtidas no site www.portal.mec.gov.br.

UTILIDADE PÚBLICA
Associação de Gaucher promove evento para esclarecer tratamento
Encontro em São Paulo reúne especialistas internacionais para debater os medicamentos disponíveis no Brasil para tratar a doença
2010 foi um ano difícil para os portadores da Doença de Gaucher. A principal medicação disponibilizada pelo Ministério da Saúde (MS) deixou de ser fornecida, por causa de problemas na fabricação do remédio, e poucos foram os pacientes que conseguiram na Justiça o direito a outra opção terapêutica. Para 2011, as expectativas são melhores apesar de nem todos os problemas dos pacientes terem sido resolvidos. No dia 16/04, haverá uma reunião entre as 15 associações estaduais de Gaucher com a finalidade de serem estabelecidas diretrizes que garantam o direito ao acesso a todos os tratamentos disponíveis para a doença
1ª Mesa Redonda Internacional dos Tratadores de Gaucher
Data: 16 de abril - Horário: 8h30 às 17h30 - Local: Pullman Ibirapuera Hotel-  Rua Joinville, 515 – Vila Mariana - São Paulo/SP.

sexta-feira, 8 de abril de 2011

PLANTÃO PAPO DE MÃE - por Mariana Kotscho

Olá a todos. Gostaria de explicar a vocês que, por uma triste coincidência, o Papo de Mãe do próximo domingo é sobre violência nas escolas. O programa foi gravado antes de acontecer a tragédia no Rio. Neste programa falamos muito sobre a relação alunos, pais e escola e o que pode ser feito para que a escola seja um ambiente positivo para todos. Sabemos que o que aconteceu no Rio é um fato "isolado", mas é uma realidade que a violência hoje ultrapassou o portão das escolas. Roberta Cestari, mãe do garoto Miguel, assassinado por um coleguinha que levou uma arma pra dentro da escola, participa do programa. Uma professora que foi ameaçada com uma arma por um aluno dentro da escola também participa. O fato é que as armas estão entrando nas escolas!!!!!! Assistam ao programa! Discutir sobre a escola, a educação, enfim, a vida dos nossos filhos é uma obrigação de todos nós. E quem puder, depois, por favor participe do chat. Ficar falando é fácil....mas....e de concreto? O que pode ser feito??? bjs, Mariana Kotscho

quarta-feira, 6 de abril de 2011

AUTISMO: relato de uma mãe

Olá, pessoal!
Estamos de volta para falar sobre AUTISMO, nosso tema da semana. E como de costume, vamos dar voz a quem entende do assunto por experiência própria. A Gleice, do Rio de Janeiro, nos escreveu contando um pouco da sua vida como mãe do João Gabriel, que é autista.
Sem mais delongas, vamos direto ao que interessa. Segue para vocês o relato!
"João Gabriel tem 5 anos. Apesar de ser verbal que só fala quando quer, ele não demonstra interesse em questões didáticas. Os trabalhinhos da escola (é uma escola convencional, que aceita o especial sem "ser específica"), muitas vezes, não são feitos nem na própria escola. Contudo, está perfeitamente adaptado, socializado e integrado. Mas tenho uma certa angústia em relação a isso, pois mesmo sabendo que o tempo dele de resposta pode demorar mais que o restante da turma, penso: - será que ele vai aprender? Será que vai ter condições de se profissionalizar? Vai caminhar sem depender tanto de mim? Pode parecer precoce ou precipitado, mas é que nós, pais e mães, não estaremos perto deles para sempre. E aí, como será se não estiverem preparados para vida?
Nunca sei de devo insistir ou não com as tarefinhas que vem para fazer em casa; se eu mesma deveria auxiliá-lo de outra forma, enfim, me sinto um pouco dentro de uma bolha sem saber como sair. Fora o lado comportamental, que de uns tempos pra cá, apresenta certa agressividade mediante a contrariedades. Apesar dos atendimentos que recebe, fico pensando se não falta algo a ser feito. Talvez nenhum de vocês poderá responder todas as nossas dúvidas e questionamentos....
Quanto a nós pais, responsáveis pelo indivíduo autista, temos tentado aliviar nossas tensões e dúvidas, promovendo “Orkontros”, que são encontros para pessoas autistas, pais e responsáveis em nossas casas, mensais ou bimestrais. Porque não há real amparo para os pais...
Também acho que deveria haver um local, como há em alguns países, para que as famílias tivessem algum tipo de lazer, descanso mesmo, porque lidar com autista desgasta muito nosso emocional, além do físico. Muitas pessoas simplesmente desistem dos tratamentos por não aguentarem a rotina de terapias, quase sempre distantes de nossas casas.
Faltam locais realmente preparados para atender o autista: escolas, centros de lazer. Falta quase tudo para o indivíduo autista. O número de centros de terapias está longe do ideal. Eu moro em São Cristóvão, Zona Norte do Rio, e meu filho é atendido em outro município, em São João de Meriti. Encaro duas vezes na semana a Av. Brasil com seus muitos problemas e a Dutra, porque não consegui tratamento individual próximo de casa. Quando tudo está bem, amém. Mas quando João não concorda com o engarrafamento que eu nada posso fazer, sofremos juntos dentro do ônibus.
Esta é nossa maior bandeira: diminuir estas distâncias. Estamos tentando nos organizar como associação séria, aberta a todos que precisem, para buscarmos o direito a ser atendido, e criar espaços que atendam aos adolescentes de forma que aprendam uma profissão, que sejam também úteis para si e para sociedade. É preciso um olhar mais amoroso e atento à causa autista. Grande abraço e parabéns pelo espaço democrático que é o Papo de Mãe. Pena não serem aqui no Rio. Beijos! Gleice Valadares, mãe do João Gabriel."
---> Obrigada por participar, Gleice! Um grande beijo para você e para o João Gabriel de toda equipe do Papo de Mãe.

DICA DE HOJE

REVISTA AUTISMO
Numa iniciativa inédita, um grupo de pais de crianças autistas criou a Revista Autismo, primeira publicação a respeito do assunto na América Latina e a única em língua portuguesa no mundo. Tudo isso somente com trabalho voluntário e doações. A revista é gratuita, de circulação nacional e foi lançada em setembro de 2010. Não bastasse essa conquista, que no caro e complexo mercado editorial pode-se dizer que é um verdadeiro milagre, a revista também inova usando, em sua versão impressa, QR-Codes (selos de integração de mídia que podem ser lidos por câmeras de celulares) para ampliar os assuntos abordados remetendo o leitor a material extra, como textos, vídeos e outros sites. Cada artigo ou reportagem que tem material extra, tem seu QR-Code.
O grupo de pais que criou a revista não se conhece pessoalmente, apenas através da internet, onde participam de listas de discussões por e-mail sobre a síndrome que acomete seus filhos: o autismo. “Temos um dos pais que tem uma gráfica, em Santa Catarina, e quando sugeri a ideia da revista, ele pediu doação de papel a seus fornecedores, o que foi prontamente atendido”, conta o publicitário e artista plástico Martim Fanucchi, idealizador da Revista Autismo, sobre o momento que viu a viabilização do que era apenas um sonho.
Em busca de patrocínio
Todo o processo de produção da revista foi feito com trabalho cem por cento voluntário, desde os artigos de renomados profissionais da área, até o processo de revisão e distribuição da revista.
Paiva Júnior é editor-chefe da revista
A revista teve uma quantidade significativa de exemplares impressos, porém, a demanda foi maior que o dobro do que havia sido feito. Faltou revista. O que demonstra o sucesso do “empreendimento” mesmo antes de que soubesse se o conteúdo era realmente bom. Um retrato da sede por informação sobre o transtorno do espectro do autismo no Brasil. O projeto busca agora uma ou duas grandes empresas para patrocinarem as próximas edições e consolidarem a publicação, que está estimada num custo anual de R$ 160 mil, para edições trimestrais.
A reportagem de capa da edição de lançamento cita a preocupante estatística do CDC (Center of Disease Control), dos Estados Unidos: uma em cada 110 crianças tem autismo -- número muito maior em crianças que a AIDS, o câncer e o diabetes. E a manchete de capa ainda questiona: “E aqui?”, referindo-se ao Brasil não ter estatísticas a respeito do autismo -- nem mesmo no atual censo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) há qualquer pergunta sobre a síndrome.
O objetivo da Revista Autismo é levar informação séria e de qualidade para pais e profissionais em todo o Brasil e até mesmo fora dele -- a versão online da revista terá traduções para o inglês e o espanhol, além de estarem firmando parcerias para desenvolver o lançamento da revista em outros formatos digitais, como os e-books (livros eletrônicos) -- já há versão em formato PDF, compatível com diversos leitores de livros digitais -- e aplicativos para smartphone e tablets, como uma versão já em desenvolvimento para Apple iOS (iPhone, iPad e iPod Touch). Não custa lembrar que tudo isso é gratuito e está sendo produzido sem qualquer investimento financeiro, apenas com voluntariado.
O site da revista é http://www.revistaautismo.com.br/ (hospedado pelo patrocinador Hostnet.com.br) e tem a publicação na íntegra, sem restrições, além de material extra.
Paiva Júnior é o editor-chefe da Revista e esteve presente como convidado no Programa Papo de Mãe sobre AUTISMO, exibido em 03.04.2011.