Aos domingos, 15h30
Reprise aos sábados, 11 horas
Na TV Brasil

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Criando meninos e meninas - Por Raquel Guimarães Del Monde*

 
 
 
Mal começa a aparecer a barriguinha da gravidez e uma das perguntas que mais se ouve é “Já sabe se é menino ou menina?”. Dificilmente, os futuros pais resistem à tentação de saber o que mostra o exame de ultra-som.
Toda essa curiosidade acerca do sexo do bebê revela bem mais do que apenas um interesse na escolha do nome da criança ou na compra do enxoval. Revela também as expectativas que as pessoas, consciente ou inconscientemente, trazem consigo a respeito dos papéis masculino e feminino. Muitas vezes, pais e mães idealizam relacionamentos com os filhos influenciados por estereótipos sociais e por suas próprias vivências pessoais, como o homem que sonha em levar o filho aos jogos de futebol de seu time ou a mulher que sonha com o espetáculo de ballet da filha – embora a realidade possa confrontá-los com filhos que simplesmente não compartilhem destes interesses!
O mundo atual tem aproximado bastante os universos feminino e masculino. As mulheres têm conquistado cada vez mais espaço no mercado de trabalho e os homens têm aprendido a dividir tarefas domésticas e os cuidados com os filhos. As famílias investem tanto na educação dos meninos como das meninas, com o objetivo de prepará-los para o futuro. Muitas barreiras já foram derrubadas: hoje em dia, de modo geral, as pessoas sabem que é benéfico a todas as crianças ter a possibilidade de brincar com jogos diversos, bolas e bonecos, sem delimitar brincadeiras “de menino” ou “de menina”, deixando que as preferências se estabeleçam naturalmente. Essa liberdade enriquece seu repertório emocional e não determina sua identidade sexual. Da mesma maneira, a participação das crianças nas tarefas em casa (ajudar a lavar a louça, arrumar os quartos etc.) deve ser incentivada independente do gênero.
Além desses aspectos culturais, alguns aspectos biológicos são de interesse na criação de meninos e meninas. Nos consultórios médicos, por exemplo, a investigação de algumas patologias – como hérnias e infecções urinárias – tem que levar em conta o sexo da criança. O processo de puberdade, que inclui as transformações físicas da época da adolescência, também é muito diferente para meninos e meninas, acarretando cuidados diversos da parte dos pais.
Já outros aspectos biológicos, associados às diferenças no desenvolvimento cerebral masculino e feminino, estão por trás de várias das características comumente associadas a homens e mulheres. Atualmente, as neurociências têm contribuído de forma marcante para explicar o funcionamento das diversas funções do cérebro e sua repercussão no dia a dia. De forma bem simplificada, podemos dizer que as meninas tendem a desenvolver mais as habilidades verbais (resultando em melhor desempenho acadêmico em diversas áreas), melhor controle de impulsos (razão pela qual geralmente são mais “quietinhas”, mais organizadas e prestam mais atenção), maior cognição social (desenvolvendo relações sociais com mais facilidade, embora fiquem mais “sensíveis” a elogios e críticas).
Os meninos costumam desenvolver mais o raciocínio lógico (com impacto positivo na área de exatas) e habilidades visuo-espaciais (não é à toa que montam e desmontam tudo!), além de envolverem-se com mais facilidade em atividades competitivas. Essas diferenças, somadas a fatores genéticos, ajudam também a entender por que existe um número maior de meninos hiperativos (inclusive são eles que se envolvem mais em riscos e acidentes domésticos) e com dificuldades de aprendizagem e, por outro lado, maior risco de ansiedade para as meninas.
Porém, por mais interessante que possa ser a análise dessas e de outras informações, a recomendação mais importante para os pais continua sendo a de respeitar a individualidade de seus filhos, seu jeito único de ser e de viver. E viva as diferenças!
***
*Dra. Raquel Guimarães Del Monde, é pediatra e autora do livro "Na dose certa - o que mais o pediatra tem a dizer". Participou como especialista convidada do Papo de Mãe sobre “Criando Meninas e Meninos”, exibido em 14.10.2012.