Aos domingos, 15h30
Reprise aos sábados, 11 horas
Na TV Brasil

domingo, 18 de julho de 2010

Mãe sozinha: relato de telespectadora

Oi, gente!
Durante o programa deste domingo, vocês ouviram um trecho do relato da nossa telespectadora Juliana Fernandes de Ituiutaba - MG. Segue agora o relato na íntegra, conforme prometemos. Vejam que história emocionante e de muita coragem.

Eu tinha 17 anos quando fiquei grávida. Quando abri o resultado de um exame positivo de gravidez minha primeira reação foi um bocado de lágrimas. Não que eu não quisesse um bebê, mas eu acabara de passar no vestibular para uma faculdade disputada e minha mãe acabara de morrer...
Sou de uma geração cheia de informações de como se prevenir de uma possível gravidez. Mas, enfim, eu seria mãe! Quando contei para o "futuro papai" a primeira reação dele foi “como? com esse tempo dá pra interromper??” Não era isso que eu iria fazer...
Chamei meu pai e desabei sobre e ele a notícia de que meu caminho estava sendo interrompido por uma pessoa cheia de possibilidades: um bebê! Foram quase 7 meses sem diálogos. Mas 45 dias antes da hora veio ao mundo um bebê cor de rosa: Maria Júlia, e com ela o sorriso do meu pai que não vinha desde a morte de minha mãe. E o meu, que havia adormecido com a esperança de ser feliz...
Posso parecer dramática, mas foram os meses mais duros que passei. Permaneci com um cara agressivo e que sugeriu inúmeras vezes que não queria saber de nós, mas que ao mesmo tempo impossibilitava uma desvinculação. Eram muitas ameaças. Um noivado de fachada...
Quando minha Lili nasceu, eu respirei fundo, tomei coragem e resolvi ser mãe solteira e sozinha. Eu já sabia que ele cairia fora... Quando eu lhe disse isso, mais uma vez ele levantou a mão para mim. Só que desta vez eu pude ser forte e pedi para Deus que me ajudasse a superar mais aquela situação, e ser feliz daquele dia em diante.
Hoje somos uma família de mãe e filha. Crio minha pequena, que já está com um ano e quase dois meses sozinha. Leciono, trabalho muito durante o dia, faço faculdade e cuido de casa. Sou mãe e muito feliz.
Minha filha nunca viu o pai biológico e costuma, muitas vezes, chamar meu pai de papai, ou até mesmo me chamar de papai. Ela fala poucas palavras, mas por me ver falando muito a palavra “pai” para o meu pai, acho que ela assimilou... Eu não concordo, mas não consigo não me emocionar quando isto acontece...
Fico pensando em como será o futuro dela. Se seremos sempre assim felizes ou se ele virá novamente nos machucar, mais do que já o fez.
Mas eu rezo. Rezo para que Deus dê a ela, um dia, um pai. Os pais são conquistas. Os pais são amor constante... Quando vejo uma mãe solteira como eu, sozinha, como pai e mãe, percebo que somos plenas. Mesmo que falte a figura paterna, somos plenas, porque somos amor multiplicado. Porque somos mãe quantas vezes for preciso.
Me perguntam como será o “dia dos pais” para ela, e sou obrigada, com uma certa agulhada no peito, a responder: “será feliz, eu estarei lá, de bigode e cartola, se for preciso”. Por ela mudo o mundo...
Enfim, hoje sou mãe e pai. Uma mãe jovem, com muita coisa pela frente... E com uma filha LINDA! Maravilhosa! Que me dá mil razões pra crescer e ser feliz todos os dias.
Por tudo isso, comecei a escrever em um blog: http://www.maesmulheresetal.blogspot.com/ e participo de comunidades virtuais no orkut. Mas essa é uma outra história... Tem uma foto nossa aí, no aniversário de um ano. Acho que a foto diz tudo...
Meu abraço cheio de paz a todas vocês!
Ju  - Ituiutaba/MG
Juliana! Sua história é muito comovente e nós gostaríamos de lhe agradecer por compartilhá-la conosco. Temos certeza que este seu relato ajudará muitas mães que se encontram na mesma situação. Obrigada, querida, e parabéns pela coragem! Toda felicidade do mundo para você e sua linda filha. Que todos os seus desejos e sonhos se realizem!
Um grande beijo de toda equipe Papo de Mãe 

8 comentários:

Anônimo disse...

fiquei emocionada quando li meu relato aqui, e quando abr meu e-mail e tinha mensagens das leitoras do papo de mae em meu e-mail, me dando a maior força e o maior carinho!

Deixo um beijo muito grande pra equipe Papo de Mae, me retratando por nao poder ir ao programa, mas foi mesmo impossivel (financeiramente). Não faltarao oportunidades de conhece-las e derramar nosso carinho pra voces!

Um beijo
Juliana - Ituiutaba

Papo de mãe disse...

Jú, que legal! As mamães do Papo de Mãe são dez!!!
Obrigada pelo seu relato! E qdo puder/quiser participe do programa!!! Vc tb pode enviar perguntas e participar virtualmente sempre!!!
Beijos
Clarissa

Anônimo disse...

PARABÉNS! QUE DEUS TE ILUMINE CADA DIA MAIS EU TBM VOU SER MÃE SOLTEIRA, ESTOU COM 7 MESES DE GETAÇÃO E MUITO FELIZ COM MEU FILHO. FUI CASADA HÁ 2 ANOS E UMA SEMANA DEPOIS DE SEPARADA DESCOBRIR QUE ESTAVA GRAVIDA CHOREI MUITOOOOO, MAS RESOLVIR ENCARAR A SITUAÇÃO DEUS ME DEU FORÇAS E SABEDORIA PRA CONSEGUIR PASSAR ESSA FASE E ESTOU PASSANDO BREVE O MEU MAIOR E MELHOR PRESENTE DE DEUS ESTARÁ NÓS MEUS BRAÇOS. AMO MEU FILHO. BJS

Jéssica disse...

Muito emocionante , chorei. Meu filho irá fazer 1 mês e eu estou muito angustiada pelo fato de não ter um pai que assuma-o . Mas sua história de alguma forma me confortou !

Anônimo disse...

Parabéns!! Além de vc ser uma mãe linda, é de se orgulhar por uma história de coragem e fé!! Sua filha é uma benção e entenderá tudo que vc passou. Tb sou mãe solteira de uma menino de 2 anos e a família do pai dele não sabe que ele existe. É preciso muita coragem e muita paciência.
Bjos

Gabriela disse...

Juliana, sua história é muito linda, mostra força e coragem de assumir o bem mais preciso que Deus te deu. Tb criou minhas duas filhas sozinhas. A primeira, hj com 20 anos, foi fruto de um casamento, e após a minha separação, logo no início de um namoro, veio a minha mais nova, hj com 13 anos. O pai dele tolerou ficar comigo durante a gravidez, mas sempre com muita estupidez, bebedeiras e grosserias. Qdo ela tinha apenas 2 meses de vida, eu tinha perdido meu emprego, tinha descoberto um problema de saúde, e acabara de ser reprovada um teste física de um excelente concurso, pois fiz a prova física muito pouco tempo após o parto e acabei me machucando e reprovando. Meu mundo era um caus. Hj, muitos anos depois, continuo sozinha com elas. Tentei alguns relacionamentos que não deram certo, e p complicar, meu pai, que era o verdadeiro pai q minhas meninas tiveram, faleceu, já faz 3 anos. Então, resolvi aumentar a minha família de uma forma muito especial, e q está sendo a alegria de todas nós. Comprei um cão, hj com 2 anos e meio, e recentemente adotamos um gatinho, com 4 meses de vida. Essa é a nossa família, eu, minhas duas princesas, meu cão e meu gato. Não tenho qq outro parente por perto p nos ajudar, mas nós nos ajudamos, e sabe como? com o incondicional e verdadeiro amor q existe dentro de nós, e nos une firmemente. É assim, vc fez a escolha certa em jamais tendo interrompido a sua gravidez. As minhas duas gravidez não foram planejadas, e a primeira eu tinha 19 anos. É difícil no início, mas com o tempo, vc vai percebendo como tudo o q Deus quiz foi te dar o mais belo dos presentes q um mulher pode receber, a maternidade e um filho. Parabéns.

Anônimo disse...

Parabéns.... tbm crio a minha princesa nicolly sozinha... sua historia me emicionol .... seja feliz ....

Anônimo disse...

que deus abençõe você, sua filha e seu pai sempre.não é facil, como eu sei...mas, a cada dia escrevemos uma nova página desta história de amor por nossos filhos. sejamos fortes e felizes ao lado de nossos filhos.FELICIDADES E CORAGEM