Aos domingos, 15h30
Reprise aos sábados, 11 horas
Na TV Brasil

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Limites: vizinhos interferindo???

Olá!!!
Ontem, o Papo de Mãe reprisou o programa sobre limites. Nós que somos pais sabemos bem como é difícil impô-los e, principalmente, controlarmos uma criança na hora do chilique, não é verdade? Além de todo o estresse da situação, ainda temos que lidar com a reprovação dos olhares alheios. As pessoas nos julgam e condenam como se fossemos os piores pais do planeta... Se não bastasse isso, ainda tem gente que se sente no direito de interferir!
Confiram o relato indignado de uma mãe sobre o que aconteceu com ela recentemente:

“Meninas, preciso dividir com vocês uma coisa absurda que me aconteceu recentemente. Certo dia, às 9 da noite, com sono, meu filho, no auge dos seus quase 3 anos, resolveu dar um chilique daqueles. Começou a chorar e berrar que não queria escovar os dentes, que não queria dormir, que não queria ser chamado pelo nome, enfim... E eu, em vão, tentando acalmá-lo... Até que ele se debateu tanto que acabou batendo a boca na pia do banheiro. Começou a chorar dizendo “mamãe, bateu, mamãe bateu”. Ou seja, ele queria dizer pra mim que ele tinha batido com a boca na pia...
No auge do escândalo, toca meu interfone. Era minha vizinha. Segundo ela, iria me denunciar para o Conselho Tutelar porque eu estava – pasmem - espancando meu filho!!! Imagina, sou absolutamente contra bater em filho!!!! Acho que não resolve nada e tenho orgulho em dizer que nunca bati nos meus.
Eu não podia acreditar que estava sendo ameaçada e acusada por uma vizinha. Ou seja: meus filhos agora estão proibidos de chorar??? Os psicólogos dizem pra deixar a criança chorar, que é fase, que passa. Mas meus vizinhos me ameaçam: se eles chorarem serei denunciada sei lá por quem nem por quê. E quando meu filho agora acordar à noite berrando por causa de pesadelo, vou ter que levá-lo para minha cama porque ele não pode mais chorar...
Gente, estou revoltada. Minha amiga que é advogada disse que conhece outros casos assim. Que em vários prédios tem gente maldosa fazendo isso: se irrita com choro de criança e liga pro Conselho Tutelar como se estivesse ligando pra carrocinha...
O que vocês acham disso? Quantas outras mães não são assim mal vistas no shopping ou no supermercado quando a criança faz birra??? E a mãe continua tentando educar o filho, impondo limites, deixando ele chorar pra aprender que não pode ter tudo ou... passa a deixar o filho fazer tudo só pra agradar aos vizinhos?????!!!”
---
Em primeiro lugar, queremos agradecer a esta mãe por compartilhar sua experiência conosco. Em segundo, queremos nos solidarizar com a situação.
Que mãe nunca passou por um momento de aperto como este? Só quem já passou sabe como é difícil... Ficamos nervosas, é claro, tentando a todo custo controlar a situação. E nesta hora, o que menos precisamos é de um vizinho reclamão!!!
Ora, crianças choram, fazem birra, nos testam o tempo inteiro... Só não sabe disto quem nunca conviveu com uma! Agora, ameaçar uma mãe porque seu filho está chorando? É muita falta do que fazer!!!
É claro que ninguém aqui está defendendo os castigos corporais, muito pelo contrário. Temos plena consciência do que acontece em muitas casas e somos totalmente contra qualquer tipo de agressão. Bater em criança é covardia e isso não se discute. Mas não era este o caso desta mãe...
O filho estava com sono, estava fazendo birra, tinha batido a boca... A gente sabe como uma criança de 3 anos se comporta nessas horas, não sejamos ingênuos!
De qualquer forma, já que pelo visto esta prática de ameaçar os pais das crianças que choram está se tornando comum entre vizinhos, vale uma consideração: aquele que acusa tem que provar. E, obviamente, quem é culpado deve ser punido. Mas ao mesmo tempo em que MAUS TRATOS é crime, CALÚNIA também é!!!
Por enquanto é isto. Não percam neste domingo, 13h30, a última reapresentação do programa sobre Síndrome de Down. Para dar uma espiadinha, assistam os primeiros 10 minutos do programa e depois sintonizem na TV Brasil para conferir a íntegra.

Tenham todos um bom fim de semana!
Beijos,
Equipe Papo de Mãe
Em tempo: Parabéns a Rosas de Ouro pela vitória no carnaval 2010 de SP!!! Alguns integrantes da escola participaram da gravação do programa sobre a relação com avós e foi muito legal. Obrigada!!!

9 comentários:

fabiana disse...

Nossa! Realmente é uma situação difícil. E quase todas as mães passam ou já passaram por ela, eu mesma passo isso com a minha filha. Já cheguei a pedir ajuda para várias pessoas, inclusive psicólogos e todos recomendam a mesma coisa, deixar chorar até que a criança se acalme, ou se conforme, se for só pirraça, é lógico. Agora ela está maior e os casos de chilique acontecem memos, mas assim que nos mudamos para este prédio tive que lidar com os olharem furosos de julgamento dos meus vizinhos.

Regina Rojo Monreal disse...

É um absurdo que tenhamos uma invasão de privacidade desta maneira. O direito de um acaba quando começa o do outro! Nossa vizinha não sabe o que é educar filhos! E isso porque ela tem os dela! Você é uma mãe maravilhosa Mariana. Todos os seus demais vizinhos sabemos disso! E vemos a ótima educação que você dá às crianças que são lindas. Não desista por uma atitude hipócrita em ser nossa vizinha. Nós te adoramos.

olivaldo peixoto de oliveria disse...

tenho um filho que se chama oliver e
ele tem autismo,eu gostaria de ver uma reportagem sobre autismo e casos
de pessoas com filhos com o autismo.
parabens pelo programa.

Papo de mãe disse...

Obrigada a todos pelos comentários.
Olivaldo,sua sugestão já foi anotada!
Grata,
Clarissa Meyer

Papo de mãe disse...

Olivaldo, por favor, entre em contato conosco pelo contato@papodemae.com.br.
Grata!
Clarissa Meyer
Equipe Papo de Mãe

Maria Paula Cavalcanti disse...

Olá, Mariana e Roberta...adorei o blog!!! Li alguns posts muito interessantes!

Por total desconhecimento, infelizmente, ainda não assisti ao programa, mas, apartir de agora, com certeza, irei! :o))

Estou iniciando tb um blog "Ciranda Cirandar" (http://ciranda-cirandar.blogspot.com) e o post atual é sobre "Limite...qual a medida certa?! - parte I". Tema esse extremamente debatido, tanto na mídia quanto nos blogs, "rodinhas" de mães e tb por profissionais da área de educação e afins.

Realmente, é preocupante e assustador ver nossos pequeninos, diante de tantas opções (e isso deveria ser um dado positivo), estarem sempre tão aflitos, irritados...alguns, até, parecendo estar tão infelizes!

Mas, que bom que tantos de nós estamos por aqui, compartilhando experiências, trocando idéias, pedindo ajuda...

Sucesso!

Anônimo disse...

Olha, não é por nada não, mas o bebe do meu vizinho chora MUITO de madrugada. Por exemplo, agora estou acordada desabafando porque simplesmente não consigo dormir. É uma situação complicada, pois preciso do meu equilíbrio mental, de uma boa noite de sono para prosseguir o meu dia normalmente. Mas com a crianca chorando É IMPOSSIVEL! Como futura advogada, creio que deve haver SIM uma solução para isso, é inadmissível o choro de uma crianca que não tem nenhum grau de parentesco comigo acabar com a minha noite e as dos vizinhos.

Cristiane disse...

Mães estou passando por isso também!!

Minha Filha tem 9 anos ,ela sempre faz chiliques em casa ,grita da aquele show !!
Moro em conjunto porém meu não teho problemas com meus vizinhos o problema é com conjunto atrás da minha casa eles não tem filhos somente um cachorro alias eles vive espancado o cachorro mais nunca falei nada ...Ela vem no meu conjunto para reclamar !! falar que maltrato minha filha !!pelo amor de Deus!!! Estou tão chateada pois não concordo em bater ,mais tem momentos que temos que falar sério até aumentar a voz!!! isso é de mais!!

Anônimo disse...

Olha, quem sou eu para comentar algo? Mas o que fazer quando a criança chora praticamente 16hrs por dia? Será que tem algum caso de maus tratos aí?

O menino grita com pavor quando vê a mãe ou o avô, não sei se ele apronta algo sempre e faz isso, mas tem alguma forma de pedir uma perícia ou algo assim? Tenho dó do menininho ou até da mãe e do avô caso eles não estejam conseguindo lidar com algum problema.